Facebook Twitter Youtube

Notícia

Bancos criam linha de crédito alternativa para cheque especial

IMAGEM_NOTICIA_0

Consumidores com mais de 15% do limite do cheque especial comprometidos por 30 dias consecutivos terão acesso a uma linha de crédito mais barata para parcelar o valor.

A medida, que vale a partir de 1° de julho, foi anunciada pelo Conselho de Autorregulação da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) nesta terça-feira (10).

O objetivo é reduzir o custo do crédito ao cliente bancário e melhorar a utilização do cheque especial aos consumidores, além de diminuir as taxas de juros cobradas na modalidade, afirmou o presidente da Febraban, Murilo Portugal.

Segundo a federação, 24 milhões dos 150 milhões de clientes ativos do setor bancário estavam usando linhas do cheque especial em dezembro de 2017, com um saldo médio de R$ 900 e prazo de utilização de 16 dias.

Portugal comparou o uso do cheque especial à situação de quem utiliza táxi e ônibus. “No dia a dia, as pessoas usam o ônibus, mas em casos especiais, usam o táxi. Ninguém usa o táxi para ir ao Rio de Janeiro, vai de ônibus”, diz.

Os bancos se comprometeram a manter um produto financeiramente mais vantajoso que o cheque especial e ao qual o cliente poderá migrar a qualquer momento.

As instituições financeiras vão oferecer de forma proativa um produto financeiro ao cliente cinco dias úteis após verificarem que o consumidor está há um mês com mais de 15% do limite do cheque especial comprometidos. A oferta será renovada a cada 30 dias, caso o cliente não aceite a nova linha de crédito.

​”Nossa expectativa é que as normas adotadas no sistema de autorregulação vão permitir um uso mais adequado do cheque especial e uma redução das taxas de juros aos clientes”, afirma o presidente da ​Febraban.

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, já havia adiantado no final de março que mudanças na modalidade seriam anunciadas pelos bancos neste mês.

O BC tem anunciado uma série de medidas para tentar estimular a redução nas taxas de juros bancárias, que não têm acompanhado a queda acentuada da Selic (taxa básica de juros), hoje na mínima histórica de 6,5% ao ano.

 

Fonte: FolhaPress

 

Conheça



Faça sua pergunta.